sábado, 7 de fevereiro de 2009

Uma rosa com espinhos...parte VIII

Quando chegou ao restaurante, já o ele estava sentado numa mesa à sua espera.
- Atrasei-me muito? -Disse ela sentando-se depressa, não sabia como havia de o cumprimentar,esperando que assim passasse despercebida a duvida.
- Não, também acabei de chegar. Para variar, o trânsito comanda o passo, mas perdoo-te sim. - Esboçou um sorriso. - Acho que vou experimentar desta vez a espetada de lulas, o que dizes?
- Parece-me bem, e vou no mesmo. - Pediram e foram conversando, ela à espera da oportunidade certa para abordar a noite que passaram juntos, sem saber muito bem quando ela seria ou mesmo como seria. Não era fácil para alguém que desistira do amor e se convençera de que ser feliz não era algo que lhe fosse permitido. Ele foi deixando o tempo correr, na esperança que ela se manifestasse sobre o mesmo tema. Sabia que ela ao convidá-lo para almoçar era um passo em frente, já lá iam vários dias onde a distância abundava, até que perguntou:
- O convite para o almoço foi por falta de companhia, ou porque há algo a dizer? Sinto que há alguma coisa que tens para me contar, não sabes é bem como....estou certo? - O silêncio surgiu por breves momentos. - Pedro, há coisas sobre mim que precisas de saber. Não sei bem é por onde começar....
- Enquanto peço o café vais pensando,não fujas sim? - A tensão dela era evidente, mas estava decidida a não perder o momento nem a ele. O telefone dela tocou, era uma chamada da central. Não planeava atender, estava de folga mas ele insistia. - Importas-te que atenda? Não é hábito a Central ligar na minha folga, deve ser importante. - Dizia ela quase zangada com o aparelho infernal a zumbir. - Claro, atende sim, vou pedir a conta enquanto vês o que se passa.
- Estou, Cristina? - Conhecera de imediato a voz, era o Vitor, um colega.
- Desculpa ligar na tua folga, mas tenho aqui um senhor à tua procura. - Senhor? Estranho... Quem é?
- Diz que se chama Paulo Cruz, e não vem num estado muito católico.... Bem tentei explicar que não estavas, mas diz que não arreda pé enquanto não falar contigo, desculpa mas não sei o que fazer. - Q....Q...Quem? Pedro notara na sua cara o espanto, deixando-o intrigado. Ficara branca, pálida de repente, nunca a tinha visto assim. - Tu tens a certeza Vitor? - Não podia acreditar no que ouvia. - Acho melhor dares cá um pulo, está alcoolizado. - Vou para aí, dá-me meia hora.
- O que foi Crstina? Aconteceu alguma coisa? - Ficaste estranha.... - Não sabia o que fazer. Para além da curiosidade, e de pensar que tinha perdido a chance dela falar, estava acima de tudo preocupado, parecia que ela ia ter um ataque cardíaco ali mesmo!
- Espero que não seja quem eu penso.... - Articulou ela com dificuladade, as mãos tremiam, estava desnorteada com o impacto. - Não pode ser! é outra pessoa, de certeza! Só pode, não tem como....
- Tens de ir á Central, certo? Eu levo-te, não me pareçe que estejas em condições de conduzir agora. - Saíram em direcção ao carro dele,e no caminho ela parecia a leste de tudo. Sem lhe perguntar nada,mas com inumeras perguntas a quererem saltar, sabia que a resposta não seria dada, logo surgiria a altura, mais cedo do que antecipava. Quando chegaram, assim que entraram na sala de espera, deu de caras com ele. Não estava em muito bom estado realmente, o bafo a alcoól denunciava desde logo a visão, sem ser preciso dizer nada. Era ele, não acreditava nos seus olhos, há anos que não o via, mas a feição continuava a mesma.
- Paulo?.... O que fazes aqui? - disse quase sem voz. - Como me encontraste?
- Cristina,sabia que virias....
Era o pai da Cláudia. Estava com uns olhos doridos,uma voz fraca, levada pela bebida fazia um tempo. - Continuas linda, sabias? - Incréula ainda, assaltavam-lhe pensamentos que não sabia explicar. - Estás um farrapo... O que te aconteceu? - Perguntou ela.
Pedro assistia a tudo de longe,tentando apanhar peças para o puzzle que se revelava.
- Já viste? Deus castigou-me.... Disse Paulo balbuciando as palavras.
continua...

6 comentários:

  1. Um fantasma no passado, acontece quando o agitamso, quando nos convecemos que ele comanda a vida. Este pai da Cláudia... os pais das amigas, por vezez, carrascos.

    ResponderEliminar
  2. Souassimedepois, ainda bem que gostaste. origada pela visita!!!
    um bj ao luar

    António, os fantasmas por vezes vêm libertar certos medos do passado que precisam vir a tona..
    um bj ao luar

    Salto-Alto, o "continua" anuncia mais... ;))
    um bj ao luar

    ResponderEliminar
  3. Opah....espetada de wuwas?!?! Wuwas?!?!?!
    Não gosto! lololol
    Mas aqui o texto continua uma delícia ;D

    Jokas :)

    ResponderEliminar
  4. É precisamente naquele momento que queremos falar a serio, que vem algo para estragar tudo! Já me aconteceu umas quantas vezes! lol

    beijinho

    ResponderEliminar